Que faz Gilberto Freyre em casa da minha bisavó Ludovina da Graça Rezende?

Em primeiro lugar, quem foi Gilberto Freyre? foi um sociólogo, antropólogo e escritor brasileiro, considerado um dos grandes nomes da história do Brasil (não confundir com Paulo Freire, um grande pedagogo, também brasileiro). Nascido em 1900 (ver sua biografia aqui), Gilberto Freyre notabilizou-se ao publicar em Dezembro de 1933 Casa-Grande & Senzala , seu primeiro livro, um autêntico "best seller". Nesse livro, Freyre centra sua temática sociológica na relação entre o colonizador branco e o escravo, defendendo que a miscigenação era um factor positivo na construção da cultura brasileira. Visita Cabo Verde em Outubro de 1951 e cria o conceito de "luso-tropicalismo". O resultado do périplo por antigas possessões portuguesas deu origem a um outro livro de Freyre: "Aventura e Rotina". Este suscitou em 1956 uma reacção de protesto em Baltasar Lopes (ver referência aqui) que gerou polémica durante e ainda por muitos anos.

Gilberto Freyre aproveitou a ocasião de sua curta estadia em Cabo Verde para visitar minha bisavó Ludovina! Isto porque Freyre também era historiador e, sabendo que José de Rezende Costa, um dos "inconfidentes mineiros", tinha sido deportado para Cabo Verde, quis conhecer os descendentes dos mesmos. Efectivamente, minha bisavó, Ludovina da Graça Rezende, era bisneta do comendador José de Rezende Costa. Na fotografia que apresentei no início, pode-se ver Freyre do lado direito, atrás de Ludovina, a octogenária sentada ao centro. Ao lado de Freyre distingue-se Francisco Rezende Mascarenhas, filho de Ludovina e meio-irmão de Filomena Cândida Rezende, a senhora idosa do lado direito. A jovem senhora do lado esquerdo é a minha mãe Esther Santos, neta de Ludovina.

A foto que agora apresento aqui à direita, é uma espécie de "matrioska" onde eu que estou ao colo de Ludovina, saí de dentro de Esther, que saiu de dentro de Cândida, que por sua vez saiu de dentro de Ludovina (fica assim provada, a minha ascendência inconfidente!).

Como já tinha evocado anteriormente, os Rezende provieram do Brasil (ainda voltarei a esta história) e Ludovina Rezende é um dos seus mais paradigmáticos descendentes (voltarei ainda um belo Domingo para homenagear convenientemente minha bisavó). Por agora termino dizendo que Gilberto Freyre deixou uma fundação com seu nome, a Fundação Gilberto Freyre, e que tive o privilégio de corresponder com o filho (já falecido), então presidente da fundação.

Aqui vai um clip de vídeo que fala da Fundação e de Gilberto:


publicado por jorsoubrito às 22:55 | link do post