Domingo, 19.09.10

Elucidativos envelopes do 1º dia, PAIGC e burros "anotados"

Já ninguém liga ao 19 de Setembro aqui em Cabo Verde! Esta data é histórica para a existência do nosso país como Estado independente: é a do aniversário da criação do PAIGC por Amílcar Cabral e por outros cinco camaradas:
  • Amilcar Cabral
  • Aristides Pereira
  • Luís Cabral
  • Fernando Fortes
  • Júlio Almeida
  • Elisée Turpin
Antes do golpe de Estado na Guiné-Bissau, que resultou na cisão do partido e no  fim da célebre, mas pouco convincente, "Unidade Guiné-Cabo Verde", a data era comemorada com pompa e circunstância. Já no 2º ano de nossa independência calhou o XX aniversário da fundação do PAIGC e mais um selo comemorativo foi lançado, com o seu respectivo "envelope do 1º dia". É com prazer que vos apresento aqui o lindo selo com a esfígie de Amílcar Cabral entre a Guiné e Cabo Verde:

Mas a primeira vez que se comemorou esta data em Cabo Verde, foi em 1974, depois do "25 de Abril" mas antes da Independência, ou seja, em plena agitação política onde as forças da UPICV (União dos Povos das Ilhas de Cabo Verde) se degladeavam contra o PAIGC, causando a este sérias preocupações passíveis de um ardente desejo de neutralizar a UPICV pela parte do PAIGC. Os leitores poderão melhor entender a palavra "neutralizar" lendo o texto de José Luís Hopffer Almada no Blog Tertúlia Crioula (ver aqui), do qual isolo este extracto:
"A neutralização, que se queria definitiva e irreversível, dos responsáveis e apoiantes da UPICV materializa-se de forma cabal, nesses dias iniciais do mês de Dezembro de 1974..."
Confesso que os militantes da UPICV eram então, deveras impertinentes. Tinham a seu serviço a "Minerva de Cabo Verde", uma tipografia familiar e com bastante notariedade em Cabo Verde (ver histórico aqui e de seu fundador) e quase que quotidianamente lançavam um panfeleto muitas vezes demolidor das afirmações e ideias veiculadas em comícios pelos políticos e militantes do PAIGC. Tinham a vantagem da imprensa, cujo produto gráfico de alta qualidade,  contrastava com os panfletos policopiados do PAIGC. Vejamos então um destes produtos gráficos que a UPICV lançou, no dia 19 de Setembro de 1974, para achincalhar o PAIGC e troçar de três de seus juristas, cuja eloquência e argumentação irritava os manda-chuvas da UPICV:

A simbologia inserida neste trabalho gráfico, poderá ser melhor entendida pela análise do seguinte extracto do texto de José Luís H. Almada atrás referido:
"...a UPICV proclamava-se como sendo de ideologia maoísta e pró-chinesa, e, por isso, posicionava-se como contrária ao “imperialismo americano”, considerado como aliado natural do colonialismo português e dos seus “fantoches spinolistas autóctones”, e ao “social-imperialismo soviético”, de cujo expansionismo e hegemonismo o PAIGC era considerado mero instrumento e peão políticos."

De qualquer modo, acho que devo homenagear o génio da tipografia que foi Aires Armando Leitão da Graça, irmão do lider histórico da UPICV, José Leitão da Graça. Aires, era o guru das artes gráficas dessa época, tendo gerido a Minerva como nunca alguém o fizera antes. Aires foi um dos 6 presos políticos que a "neutralização" conseguiu pôr atrás das grades do Tarrafal e fazer Portugal assinar um acordo reconhecendo o PAIGC como a única força política representativa do povo cabo-verdiano!
Embora tendo lhe sido reconhecido o estatuto de Combatente da Liberdade da Pátria, Aires morreu na miséria e bastante doente. Gostava imenso de fumar cachimbo e a melhor prenda que se podia levar-lhe durante a fase da doença, era um pacote de tabaco para cachimbo.
Porém, sou um acérrimo lutador contra o tabagismo, e termino esta crónica com mais um elucidativo envelope do 1º dia, desta feita, sobre a "luta contra o tabagismo", lançado há 30 anos atrás, em 19 de Setembro de 1980:

sinto-me:
publicado por jorsoubrito às 18:23 | link do post | comentar | ver comentários (2)
Domingo, 12.09.10

O caso da Fotografia Misteriosa

Neste Domingo, 12 de Setembro, abro o Fotolog e dirijo-me ao da minha amiga e prima, Amélia Monteiro, para encontrar esta fantástica fotografia:

O intróito da página de Amélia para este dia, começa assim:
"Achei interessante esta foto "preta" encontrada no fundo do baú e lembrei-me de fazer uma cópia. A foto foi feita no Fogo mas não sei onde teria sido revelada. Trata-se de uma foto feita sobre um papel brilhante e negro e a foto em si é só uma leve película que parece uma gelatina fina colocada sobre o fundo negro. Na reprodução não se nota bem. Olhando para o lado esquerdo a mancha preta é um pedaço da tal gelatina que já saiu. Quem conhece este sistema?"
Esta foto de 1933, é de Agnelo Henriques e António Macedo Barbosa, com suas respectivas famílias à frente. Agnelo Henriques foi um dos fundadores dos Sokols de Cabo Verde. Independentemente do imediato aproveitamento da foto para ilustrar a árvore genealógica que desenvolvo, (pois todos os da foto são parentes meus), fiquei curioso sobre o sistema desta fotografia misteriosa, que me fazia lembrar as tiras hawid que usava em filatelia para fixar os selos nas páginas dos álbuns.

Estas tiras são constituídas por duas películas plásticas, uma negra e aderente e outra transparente. Cortava-se (com uma guilhotina) a tira à medida do selo e introduzia-se este entre as películas com, obviamente, a face virada para a película transparente. Colava-se então a parte adesiva da película negra, no rectângulo do álbum reservado ao selo em questão. A parte negra e brilhante do fundo surgia circuncidante ao selo, dando a este todo o merecido realce e a parte transparente conferia uma muito melhor protecção que a das mais clássicas e baratas charneiras.
Ainda me lembro da alegria que tive ao colar um exemplar do primeiro selo de Cabo Verde na primeira página do álbum de selos da então província de Cabo Verde. O valor facial mais baixo dessa edição era o de 5 reis. Um selo gravado a branco sobre fundo negro, com a coroa portuguesa ao centro. Foi pena não ter podido completar a série destes selos, que foram lançados em Cabo Verde no dia 12 de Setembro de 1877, fazem hoje precisamente 133 anos. Resta-me o consolo de ter podido adquirir o envelope do primeiro dia dos selos comemorativos do "centenário do selo cabo-verdiano". Eis digitalizado o envelope que menciono:
Voltemos agora à fotografia que Amélia publicou. Mantém-se o mistério da técnica utilizada. Na realidade em 1933 já esta técnica estava ultrapassada, mas em Cabo Verde desse tempo, as coisas levavam muito tempo a serem usadas e as inovações demoravam a chegar. A técnica em questão era a do ferrotipo, inventada em 1853 e posta de lado no fim do século XIX:
"Processo constituído por um negativo de chapa húmida de colódio com um fundo escuro para a formação do positivo; mas ao invés de usar verniz ou pano escuro, era utilizada uma folha de metal esmaltada de preto ou marrom escuro, como suporte do colódio"
Veja o todo deste extracto (aqui)

Eis que se desvendou "O caso da Fotografia Misteriosa". Porém, não posso deixar de recordar um dos livros da colecção Vampiro que ostentava este mesmo título e que guardo religiosamente na ala da minha biblioteca dedicada aos livros policiais de Erle Stanley Gardner, um dos meus autores preferidos. Vejamos a sinopse:
" Livro de mistério policial lançado em 1934 da série Perry Mason pelo autor prolífico Erle Stanley Gardner. Um artista que promove concursos de beleza em cidades pequenas da Califórnia convence os comerciantes locais a doarem dinheiro para o evento, e à vencedora é prometido um contrato para um filme em Hollywood. N verdade, nenhum contrato existe, e o promoter evade-se com o dinheiro. Diversas mulheres jovens já cairam nesse esquema quando o Perry Mason é empregado para encontrar um delas, Marjorie Clune, que trabalhou no esquema e está tentando ela mesma sucesso em Hollywood. O promoter inescrupuloso do evento é assassinado e então, Marjorie transforma-se na principal suspeita."

Aquando da minha estadia nos Estados Unidos para fazer o PhD, tive o ensejo de desfrutar de várias "cerejas no topo do bolo" ao seguir as séries televisivas de Perry Mason, quer as a branco e preto (dos anos 60) quer as modernas, a cores (dos anos 80). Ambas eram protagonizadas pelo insofismável actor canadiano Raymond Burr. Sendo hoje o 17º aniversário do seu falecimento, deixo-vos com este clip, em homenagem ao fantástico actor:

*
*
sinto-me:
publicado por jorsoubrito às 17:55 | link do post | comentar | ver comentários (1)
Domingo, 07.06.09

Santos diabinhos!

Há trinta anos comemorava-se o Ano Internacional da Criança. Nesse ano, os Correios de Cabo Verde lançaram no dia 1 de Junho, selos comemorativos e castiços envelopes do 1º dia. Eis a imagem de um dos envelopes da minha colecção filatélica:
 
 

 

 

 

Reparem que a célebre frase atribuída a Cabral, "As crianças são as flores da nossa revolução", foi "doirada" para "As crianças são as flores da nossa luta" ! (no coments!)

 

****/****
 

Há vinte anos (1989), as crianças viam nascer uma famosa telenovela Mexicana: Carrussel. Na sua versão brasileira de 375 episódios, elas eram apelidadas pelo zelador do colégio, o Firmio, de "Santos diabinhos". Dava gosto assistir aos episódios dessa produção televisiva. Fazendo um clique na foto ao lado, serão conduzidos para um YouTube resumo do 1º episódio.

 

 
****/****

 

 

Há poucos dias fui desencantar nas minhas "pesquisas arqueológicas" aos haveres de meus antepassados, três fotos de minha infância, onde me encontrava ladeado de outras crianças em poses inocentes, após (lembro-me perfeitamente) diabruras e traquinices no quintal da casa de minha avó, que agora é meu lar. Reparem que bem podiam estas fotos serem intituladas de "Santos diabinhos":

 

. .

 

Já repararam nas características orientais desses meus amiguinhos? Pois é, estávamos em 1963 e já tínhamos "chineses" na nossa cidade! Quem serão eles? Vou suspender aqui o artigo, para vos dar a oportunidade de adivinharem. Dica: são parentes (sobrinhos) de uma médica, então vizinha nossa, que viria a ser objecto de trocadilhos após a exibição aqui na Praia do filme Born Free. O título em português e os nomes do casal governamental, da época dirão tudo.

 

****/****

 

E disseram mesmo! Recebi há minutos a resposta que esperava, por e-mail, de uma parente minha, prima do ilustre tio das crianças das fotos, minhas vizinhas (moravam no palácio do Governador).

Esse tio, era o então (1963-1969) Governador da Província de Cabo Verde, Leão Maria Tavares Rosado do Sacramento Monteiro (origem do Fogo). A mulher desse Leão (que está na minha árvore genealógica) era uma médica macaense que respondia pelo nome de Elsa (Elsa Maria José de Sena Fernandes). As crianças eram filhas da irmã de Elsa, de nome Arlete. O filme em questão tinha por título: "Uma Leoa chamada Elsa", donde as piadas que à boca pequena (era no tempo da PIDE) se faziam.

 

..

 

.

Este filme foi muito comovedor. Baseado no livro Born Free da escritora checa Joy Adamson, (nascida Friedericke Victoria Gessner) relata a história verídica sobre uma leoa e a mulher (Joy) que a criou e depois devolveu à liberdade. O filme recebeu vários galardões internacionais, entre os quais os óscares da melhor banda sonora (compositor Jonh Barry) e da melhor canção de 1967. Esta canção é certamente de vós conhecida e terei muito gosto de terminar este artigo com o clip da mesma, primorosamente interpretada por Matt Monro, nome artístico de Terence Edward Parsons, cançonetista londrino dos anos 60 que se tornou famoso pela voz que dava às canções de filmes:

 

.. .
sinto-me:
publicado por jorsoubrito às 08:32 | link do post | comentar
Domingo, 17.05.09

Minha adolescência evocada em altitude, por Cristo e Gabriel

Há já alguns dias, ao procurar as efemérides do dia 17 de Maio, encontrei o da inauguração do santuário do Cristo-Rei em Almada. Como a data era a de 1959, depreendi logo que ia haver muito alarido à volta disto, pois seriam as bodas de oiro desse emblemático monumento.
 
Dito e feito, muitos estão a ser os festejos e evocações da data. Por isso, e como o propósito deste Blog não é jornalístico, apenas apresentarei duas fotos minhas, tiradas junto ao citado monumento em Agosto de 1973, aquando da já aqui mencionada viagem de estudos do Círculo de Estudos Ultramarinos. Muito aprendi, porém, nestes dias, vendo as reportagens sobre o o evento, consultando sites na Internet, vendo diaporamas e lendo artigos relacionados nas enciclopédias. Como este Blog é também de "postais antigos," aqui vai um postal animado da inauguração:
.. ********************

Entretanto, a data de 17 de Maio tem para mim um significado nostálgico mais profundo. Desde 1969, que os pic-nics dos CTT (onde meus pais fizeram suas vidas profissionais), passaram a ser realizados nesse dia, o Dia Mundial das Telecomunicações, sendo para mim, nessa altura, uma oportunidade para ir a lugares aprazíveis do interior de Santiago, onde convivia com os filhos dos demais funcionários dos Correios, Telégrafos e Telefones (antes, os pic-nics eram em Março, por ocasião das festas do Arcanjo São Gabriel, padroeiro católico, das telecomunicações). Esta data é a da fundação da UIT (União Internacional das Telecomunicações) que via sua nascença em Paris, a 17 de Maio de 1865. É hoje, a mais antiga organização internacional do Mundo (ver aqui). Em 1965, os CTT da província de Cabo Verde, emitiram um selo comemorativo do centenário da organização. Tenho o envelope do primeiro dia, que partilho aqui convosco:

Em 1968, a União Internacional das Telecomunicações, no 23.º Conselho Administrativo, decidiu escolher o dia 17 de Maio como Dia Mundial das Telecomunicações e exigiu dos seus membros que nesse dia, desenvolvessem actividades comemorativas, divulgassem o papel importante que as telecomunicações desempenham, promovessem as tecnologias de telecomunicações e despertassem o interesse dos jovens em conhecer as telecomunicações. Em 1978, os CTT de Cabo Verde emitiam um selo comemorativo dos 10 anos da instituição desse Dia Mundial. Eis aqui o envelope do primeiro dia de circulação (aproveito para vos mostrar igualmente o emitido no ano anterior):

 

. .

 

Devo dizer que, desde 2005, este dia passou a designar-se Dia Mundial da Sociedade da Informação. As Nações Unidas assim o determinaram (ver aqui a mensagem de Kofi Annan) na sequência da chamada Cúpula Mundial sobre a Sociedade da Informação.

As telecomunicações em Cabo Verde deram o seu primeiro passo significativo em 1974 com o início do funcionamento das estações do Monte Tchota (em Santiago, entre Rui Vaz e o Pico d'António o ponto mais alto da ilha), Monte Verde (São Vicente) e Morro do Curral (no Sal), que permitiu as ligações telefónicas automáticas entre as ilhas:

 

"Depois, em 1974, concluía-se o projecto de automatização das comunicações inter- ilhas, através da instalação de sistemas rádio por feixes hertzianos, interligando os centros de Monte Tchota (Santiago), Monte Verde (S.Vicente) e Morro Curral (Sal). A partir destes três centros principais de transmissão são estabelecidas ligações com os centros em S. Antão, S. Nicolau, Boa Vista, Maio, Fogo e Brava." [CVTelecom]

Meu pai, foi um dos "protagonistas desse filme" e eu fui um dos ... "figurantes". Na realidade, vivi de perto a construção e a instalação da estação do Monte Tchota. Vejam a foto a seguir e ... boa semana!

Foto tirada em 30 de Março de 1972, vendo-se ao fundo o pico denominado d'António em homenagem a António da Noli, um dos descobridores da ilha. Não sei porque carga de água é que se vê traduzido, do Crioulo "Pico 'Ntóni", para "Pico da Antónia"
sinto-me:
publicado por jorsoubrito às 09:08 | link do post | comentar
Domingo, 28.09.08

1º mêsversário dos sheridanzitos

Há um mês, os nossos caniches "di raça trabessadu" (Sheri & Dan's ) tiveram a sua segunda ninhada (num ano). A conselho de minha filha, não podia deixar de assinalar a data, neste blog. Aliás há muito que prometera a meu cinófilo amigo Zé Cunha que voltaria a falar desta raça de cães. Comecemos então por ver o pequeno vídeo que preparei, da actividade dos canídeos neste dia comemorativo do primeiro mês de existência da ninhada:

.

Cães desta raça, são hoje-em-dia muito apreciados como animais de estimação, embora no passado tivessem sido usados como animais de caça, sobretudo de aves aquáticas, como os nomes Caniche e Poodle sugerem. Vejamos agora o que do animal diz o site Saúde Animal:

O Poodle, também chamado de Barbone e Caniche, é considerado uma das raças mais inteligentes, obedientes, dóceis e versáteis. Por possuir tais características e uma aparência encantadora, é considerado o mais popular das raças. O nome deriva da palavra alemã "pudel", que significa "chapinhar na água". No passado, esse animal serviu como excelente cão de busca. Embora moderno lebre o antigo Water Spaniel Irlândes, a linhagem do Poodle continua um mistério. Na França este cão é chamado Caniche (Canard = pato) porque houve um tempo em que era considerado um excelente resgatador (que vai buscar a caça abatida e a traz para o seu dono) de aves selvagens aquáticas.

O nome Poodle faz-me lembrar de cenas de filmes, onde esses cachorrinhos tosquiados em festival de ponpons, costumam ser passeados por ladies da alta sociedade ou por homens afeminados. Mas donde vem esta mania de tosquiar os Caniches? Vejamos o que diz a Wikipédia:

"Acredita-se que o corte tradicional de pêlos em forma de bracelete nas pernas era usado antigamente nas caçadas na neve, onde a maioria do pêlo era tosado baixo para facilitar a natação do cão, mas as juntas, pulmões, coração e rins eram mantidas com pêlo alto para protegê-los do frio. O pompom no fim do rabo servia como uma "bandeira" para ser avistado pelos donos enquanto o Poodle mergulhava no fundo da água"
Cães e cachorros em Cabo Verde são muito estimados, embora pouca gente se preocupa, em serem eles de raça ou não e muito menos com tosquias artísticas de caniches. Aliás, esta raça não é muito conhecida em Cabo Verde e na homenagem filatélica feita em 1995 a cães de raça, ela não figura, como se pode constatar por este lindo envelope do primeiro dia:



publicado por jorsoubrito às 11:33 | link do post | comentar
Domingo, 14.09.08

Papilio Demodocus, ou o rei dos lepidópteros de Cabo Verde

Acabo de vir do interior da ilha de Santiago e apesar das inúmeras imagens de beleza verdejante que recolhi, uma me deixou triste: "o bananal de Santa Cruz ... desapareceu!" As bananeiras foram todas dizimadas e só sobrou o campo de limoeiros para alegrar a paisagem. Mas são precisamente estes limoeiros que me trazem hoje o tema de meu artigo: o papilio demodocus.

Como já vos tinha dito, muitas das horas de minha adolescência, passei-as a estudar e a coleccionar insectos. E a ordem mais atractiva aos olhos é sem dúvida a dos Lepidoptera ou das borboletas e traças. Mais um livro da colecção "Ver e Saber" da Verbo, me ajudou a apreciar estes coloridos insectos. Em Cabo Verde encontramos uma variedade razoável de lepidópteros, desde vistosas borboletas diurnas, cinzentas "bambalutas" nocturnas, traças e singelas pequenas borboletas.

Já adulto, trabalhei no então INIA (Instituto Nacional de Investigação Agrária) e naquele tempo a luta integrada contra as pragas agrícolas era levada a sério. E por mais lindas que sejam as nossas borboletas, muitas delas são as progenitoras de lagartas perigosíssimas para as culturas (desde tomateiros, couves, batata, etc). Assim, foi com desgosto que me apercebi que muitas das nossas culturas estão a morrer porque ... talvez os bons velhos tempos do INIA já eram! Mas os limoeiros de Santa Cruz pareciam saudáveis. Será que não estavam a ser atacadas por pragas? Talvez o insecto responsável está quase extinto! Que pena diria o coleccionador de borboletas em mim. É que a tal praga do limoeiro não é nada mais nada menos do que a lagarta que dá origem à borboleta mais vistosa de Cabo Verde, o nosso Papilo do Limoeiro: o papilio demodocus.

Aliás, era o principal insecto da minha colecção. A lagarta deste animal é estranha e tem dois falsos olhos (as manchas que aparecerão nas asas mais tarde). Uma vez, recolhi algumas destas belíssimas lagartas (gorduchinhas) e coloquei-as numa caixa envidraçada onde tive o cuidado de inserir várias folhas de limoeiro. Poucos dias depois começou o processo da metamorfose. As crisálidas já não eram tão bonitas mas deixaram escapar mais tarde as lindas borboletas que ansiosamente esperava. Encontrei na Internet uma montagem de fotografias que retrata esta evolução e apresento-a ao lado.

Embora raras, as borboletas cabo-verdianas têm sido algumas vezes homenageadas e a filatelia não fica atrás, como podem ver pelos envelopes do primeiro dia pertencentes à minha colecção:



Como se pode ver, o papilio demodocus está representado no 3º selo do 1º envelope.
publicado por jorsoubrito às 17:23 | link do post | comentar
Domingo, 24.08.08

Minhas marcas olímpicas

Terminaram, as fantásticas olimpíadas de Pequim 2008. Poucas palavras encontraria para exprimir a grandiosidade deste evento. Aliás para quê, se todos estamos ao corrente disto, pois é a actualidade e as tecnologias da informação e da comunicação não nos poderiam deixar na penumbra. Os jornais encarregar-se-ão de falar de Nelson Évora, de Michael Phelps e de Ussein Bolt; não deixarão em branco as 51 medalhas de ouro da China, os recordes batidos e o esplendor havido.

No que me diz respeito, apetece-me falar das primeiras olimpíadas que despertaram a minha atenção, as de Munique em 1972. Tinha eu quase 15 anos e os conhecimentos que adquirira sobre os Jogos Olímpicos, a classe especial de ginástica do Liceu Adriano Moreira, dirigida por Carlinhos Ribeiro (da qual faziam parte meu irmão Vavuca e Sidónio Monteiro) e o lindo selo editado pelos CTT (ver o envelope do 1º dia em cima), foram o bastante para que me interessasse com entusiasmo por estes jogos. Já entendia o suficiente de política mundial para ficar chocado com os atentados terroristas ocorridos nestes jogos. Mas o choque fora largamente atenuado pela emoção das notícias dos recordes batidos e da proeza de Mark Spitz ao ganhar 7 medalhas de ouro (superada agora por Phelps). Não tínhamos televisão e consolávamos com a rádio.

As olimpíadas seguintes, as de Montreal em 1976, apanharam-me em França e lá pude seguir alguma coisa pela televisão. Jogos olímpicos fracassados (boicote pelas nações africanas, mais de 2 biliões de US dólares de prejuízo financeiro, Canadá, o país anfitrião, não ganhou uma medalha sequer, a tocha acesa por um sofisticado aparato electrónico extinguiu-se com uma forte chuvada) tiveram porém como grande vedeta a romena Nadia Elena Comăneci, que foi a primeira a ter uma nota de dez num evento olímpico de ginástica artística.

Porém, nas férias de 1980, já licenciado em Química, pude assistir pela TV a cores, em Cabo Verde, no conforto da casa de meus pais, à célebre cerimónia de encerramento das Olimpíadas de Moscovo. Célebre pelo mascote Misha, cuja imagem a derramar uma lágrima fruto de placas movidas por participantes nas arquibancadas do estádio, foi inesquecível. Com a liderança dos Estados Unidos, estes jogos foram também boicotados, desta vez por 69 países, incluindo a Alemanha Ocidental, o Canadá e o Japão. Cabo Verde porém, seguiu e aplaudiu com emoção estes jogos camaradas, e até fez emitir uma lindíssima série filatélica em comemoração; vejam os envelopes do primeiro dia, da minha colecção, que vos apresento à guisa de despedida:



publicado por jorsoubrito às 13:17 | link do post | comentar | ver comentários (2)
Domingo, 03.08.08

Pidjiguiti, apenas o vejo no selo



Nunca visitei esse "punho" mas admiro e prezo muito o selo cabo-verdiano comemorativo do 20º aniversário do Massacre de Pidjiguiti. O envelope do primeiro dia ainda é mais vibrante. Apreciem-no!

Mas ... já ninguém neste país (ou quase) se lembra da importância que a este dia (3 de Agosto) lhe davam os dirigentes do PAIGC aqui em Cabo Verde. Era até feriado nacional. Não sou o único a manifestar esta estranheza, vejam o que Miguel Barbosa apregoava há já um ano no seu blog Ziquizira:
"Lembro-me de que na escola primária tínhamos um texto alusivo a essa data e de quão importante era para a Historia de nosso país. Hoje em dia ninguém mais fala no Massacre de Pidjiguiti, nem sequer nosso partido africano que a toda a hora nos tenta convencer de que nos é credor da independência, no que parece ser mais uma tentativa (Camarada Estaline está entre nós!) de reescrever a História."
Ao que parece, os estivadores do porto de Pidjiguiti eram explorados e reivindicavam melhores salários das várias companhias exportadoras que precisavam de seus serviços. Vejamos um extracto do texto intitulado:

"...Acordo estabelecido, as várias firmas comerciais começaram a pagar aos marinheiros o novo salário. Porém, a Casa Gouveia não procedeu ao aumento e continuou a pagar pela tabela do ano anterior. Passaram-se meses e os marinheiros questionavam o gerente - na altura o ex-funcionário do quadro administrativo Intendente Carreira - sem resultados e até com uma certa sobranceria, tique que lhe deve ter ficado dos tempos de funcionário administrativo. Com o descontentamento a aumentar e ânimos cada vez mais exaltados se chegou à tristemente célebre tarde de 3 de Agosto de 1959."
Carreira
era nada mais nada menos que o conhecido e incontornável investigador cabo-verdiano António Carreira. É engraçado como a casmurrice deste valoroso cabo-verdiano deu origem à morte de 50 estivadores (segundo o PAIGC) e que muitos escamoteiam este facto infeliz na vida do conhecido historiador. Não foi ele que deu a ordem de matar, vejam mais esta parte da narrativa de Mário Dias:
"Entretanto, o comandante militar, tenente-coronel Filipe Rodrigues, chegado ao local inteirou-se da situação e, ao ver aquele grupo armado de remos, paus, etc. a marchar agressivamente em direcção à Casa Gouveia, deu ordens aos polícias para dispararem por ser a única forma de os deter."
Este texto do "furriel dos comandos Mário Dias, [que] foi um dos homens que esteve presente, quando o exército interveio em Pidjiguiti, e o seu testemunho é extremamente elucidativo, pois permite perceber o papel do exército neste drama, e filtrar a verdade dos acontecimentos", dá a visão de um português que mostra ter o PAIGC se aproveitado do facto para tirar dividendos políticos:
"O PAIGC aproveitou-se inteligentemente deste movimento, como sempre fez - o que só nos merece admiração - para conquistar mais uns tantos seguidores."
Não obstante as opiniões, o que é certo é que o dito massacre (politicamente aproveitado ou não) foi o ponto crucial da reviravolta da história em direcção à independência da Guiné e de Cabo Verde. Poderão disso se aperceber no clip de vídeo encontrado aqui e cujos 90 primeiros segundos se seguem:

.

publicado por jorsoubrito às 18:34 | link do post | comentar
Domingo, 06.07.08

Ressurreições (Cristo e República de Cabo Verde) após 33 anos do nascimento?


Coincidência ou não, é após 33 anos como país independente, que a jovem República de Cabo Verde está a iniciar, qual Cristo, a sua Ressurreição [em latim (resurrectione), grego (a·ná·sta·sis). Significa literalmente "levantar; erguer"]: Parceria especial com a União Europeia, Graduação a País de Desenvolvimento Médio, entrada na Organização Mundial do Comércio (efectiva no dia 23 de Julho) e um Processo Eleitoral para as autárquicas, sem mácula, com baixa taxa de abstenções e resultados inequívocos.

Porém, 33 anos me deixam pensar que estou a ficar velho, pois nesse tempo, já era eu um jovem com o ensino secundário feito. Lembro-me perfeitamente desse dia, o 5 de Julho de 1975, bem como da cerimónia da proclamação da Independência que se desenrolou no Campo de Futebol da Várzea (hoje Estádio).


Um dia soalheiro (ver também a crónica de Jorge Eurico, colunista do Notícias Lusófonas, aqui), lá estávamos nós, sentados ou de pé nas bancadas de cimento, à espera do início das cerimónias. Estas, começaram com o já proverbial atraso cabo-verdiano. O campo foi se enchendo de tropa e as orlas, de jornalistas e câmara-men. Na tribuna viam-se aqueles "qui bâi qui torna ben", os combatentes da Pátria (vejam a foto anexa a este parágrafo) Pedro Pires (seria o Primeiro-Ministro) Abílio Duarte (o Presidente da Assembleia Popular) e Aristides Pereira (o Presidente da República). Ao lado estava o então Primeiro-Ministro português, General Vasco Gonçalves.

Não havia vento. Chegou o momento da troca das bandeiras. Sob o hino português, lá desceu tranquilamente a bandeira das quinas. Poucos minutos depois o jovem militar Roberto Fernandes, enfiava os cordões na bandeira de Cabo Verde (aquela que nos foi dada a conhecer na véspera e que era quase a bandeira da Guiné-Bissau; a diferença residia em duas espigas de milho que, à guisa dos bigodes de Eça, amparavam a estrela negra e conferiam assim à bandeira, a sua identidade própria). Talvez por nervosismo, a tarefa não parecia fácil e após alguns minutos, lá conseguiu ele, o feito. Começa então, ao som do hino comum ao da Guiné-Bissau, a erguer-se lentamente a 1ª bandeira de Cabo Verde. Nisto, se levanta uma boa ventania e muitos exclamavam as mais disparatadas razões para a tal coincidência atmosférica.

Lá fui eu tirando fotos (as desta página por exemplo) dos momentos que achava relevantes e escutava com atenção os inflamados discursos dos dirigentes, guias que detinham a força e a luz do nosso Povo. Estes discursos e estas comemorações tornaram-se prática a cada aniversário da independência que se sucedeu nos cinco anos subsequentes. São também ocasiões para fazer lançamentos de selos e moedas comemorativas. Eu, como coleccionador que era, não pude deixar de adquirir tão preciosas peças:

Selos
Envelope do Primeiro Dia de Circulação para o
Primeiro aniversário da Independência de Cabo Verde
A imagem no selo merece que se oiça a música que se segue:


| Oiça o "Labanta braço" dos Tubarões |

Envelope do Primeiro Dia de Circulação para o
Quinto aniversário da Independência de Cabo Verde


Em filatelia o envelope e o carimbo do Primeiro Dia de Circulação, conhecido pela sigla inglesa FDC, reveste-se de particular importância para o coleccionador. Vejam aqui um dos artigos interessantes a esse respeito.

À semelhança dos FDC, em numismática são lançadas moedas comemorativas. Estas, geralmente em ouro ou em prata, são cunhadas em quantidades diminutas. As poucas que eventualmente venham a circular, são imediatamente recolhidas pelos coleccionadores amadores, fazendo assim aumentar o seu valor de venda numismática. Os coleccionadores mais entendidos, compram-nas à flor de cunho, directamente ao Banco emissor. Eis então a que adquiri nessa altura:

Moeda
Moeda em prata, comemorativa do
Primeiro aniversário da Independência Nacional



publicado por jorsoubrito às 15:16 | link do post | comentar
Sábado, 03.05.08

Dia das mães cabo-verdianas, lindas mulheres que elas são!

Neste primeiro Domingo de Maio, comemora-se em Cabo Verde (e em Portugal também) o dia das mães! Contudo, há muita gente (sobretudo Nazarena) que segue a tradição americana, considerando que o segundo Domingo de Maio é que é o dia das mães. Quando era criança, o dia das mães era a 8 de Dezembro, depois virou o último Domingo de Maio, para se fixar no primeiro. Com tanta confusão fui indagar e descobri nãoa história desta comemoração, como também que as datas da mesma variam de país para país.

.

Com muito prazer, vou então homenagear as mães cabo-verdianas e em particular a minha mãe. Esta chama-se Esther Aguiar Lisboa da Costa Santos, carinhosamente chamada na família, de: vovó Teti. Nasceu a 8 de Outubro de 1924, fez os estudos liceais no Liceu Gil Eanes no Mindelo e em Janeiro de 1949 entrou para os Correios Telégrafos e Telefones (CTT) como Aspirante. Trabalhou sempre no Sector Postal e foi evoluindo na carreira, por concursos, até se aposentar em Fevereiro de 1975 como 1º Oficial. Nos CTT, os funcionários seguiam a Escola dos Correios, tinham que estudar muito para obterem os diplomas que lhes permitiam concorrer a categorias mais elevadas. Muitas vezes, Esther justifica a minha propensão pelos estudos, com uma teoria de que "ouvira dizer que os bebés assimilavam os hábitos das mães enquanto estas estivessem grávidas, estando ela a estudar arduamente para os exames dos CTT durante a gravidez do seu Jorginho".

O que é certo, é que ter uma mãe na secção postal dos CTT, dava muito jeito para um amante da filatelia. Ela trazia-me inúmeros selos usados, colados nos invólucros de encomendas e vales postais. Ensinou-me a mergulhar estes retalhos de papel (com os selos colados), em água para amolecer a cola; trazia-me papel mata-borrão para os secar ou para fazer compressas sobre os selos colados em postais (assim a escrita a tinta, dos postais, não era destruída). Não me esqueço da explicação que me dera sobre os selos "porteados" (ver ao lado a página do meu álbum de selos CV, com a série de 1952). Estes selos, são os que se usam para "multar" as cartas que chegavam sem selo; com o dobro da taxa normal, estes eram uma espécie de "chamadas pagas no destino", se o destinatário quisesse a carta pagava a taxa e os selos porteados eram colocados sobre a correspondência que de seguida ser-lhe-ia entregue.
.

Outra particularidade interessante de Esther é o seu gosto pela escrita, pelo conto, tradições orais e passatempos. Chegou a ser uma importante colaboradora do "Almanaque Bertrand". Este almanaque foi publicado de 1899 a 1969. Vejam na figura à direita, duas páginas da edição de 1931 deste almanaque. O almanaque era, entre outros, recheado de passatempos, charadas matemáticas e adivinhas. Cheguei de encontrar vários passatempos do tipo "Salto de Cavalos", "Hieróglifos Comprimidos" e Palavras Cruzadas da autoria da minha mãe, nos volumes dos anos quarenta. Apanhei o gosto e aos 12 anos lá tentava eu fabricar também estes passatempos que comecei a dactilografar no que pretendia vir a ser um "Almanaque Brito".

Vejamos então "Vovó Téti" ao longo da vida




...............///////////..................\\\\\\\\\\\...............

E agora, retomemos algumas das beldades da minha árvore genealógica e constatemos que a beleza também está nos genes. A escolha recaiu em 15 musas, que constituem 5 grupos de avó-mãe-filha. Cabe aos digníssimos leitores e leitoras, deslindar as cinco sequências.
  • Se fizer clique na foto - irá para a página da árvore e saberá quem é.
  • Se fizer clique na pergunta "minha mãe é?" - saberá qual a foto da mãe respectiva (as avós podem não as ter disponíveis)

minha mãe é ? ... minha mãe é ?... minha mãe é ?... minha mãe é ?... a minha mãe é ?


minha mãe é ? ... minha mãe é ?... minha mãe é ?... minha mãe é ?... minha mãe é ?


minha mãe é ? ... minha mãe é ?... minha mãe é ?... minha mãe é ?... minha mãe é ?
publicado por jorsoubrito às 22:06 | link do post | comentar | ver comentários (6)

Mais sobre mim

Posts recentes

pesquisar neste blog

 

tags

Subscrever

Feedback

  • Caro colega, sou frances radicado no brasil desde ...
  • Prezados amigos,verifiquei que não sou o unico a p...
  • sou um militar da reserva da marinha do brasil, fi...
  • Olá, perdôe-me entrar assim sem convite, mas pesqu...
  • 73 de PY3FBI Pacheco Qth Porto Alegre RS Brasil.Mu...
  • boa tarde caro amigo,como voce eu tambem morei no ...
  • Bonita história!Carrega no link http://www.barrosb...
  • Ola boa tarde .Eu me interesso muito pelo radio am...
  • Ola JprgeE com prazer que leio as historias da nos...
  • Gostei do layout do blog em que representa lembran...

Mais comentados

arquivos

blogs SAPO

Visitas